Mofo em casa – qual o problema para a saúde?

post 01Em muitos lugares, o inverno além de frio é também úmido. Durante esta época, certos procedimentos caseiros podem levar a um aumento ainda maior de umidade e, em conseqüência. ao crescimento de bolor e mofo.

Diferente do que a maioria pensa, o mofo e o bolor não são exatamente a mesma coisa. Os dois são causados por fungos, mas enquanto o bolor apenas infecta os objetos, o mofo corrói o material afetado. O primeiro, em relevo, fica em tonalidade acinzentada e pode ser facilmente removido com pano úmido. Já o segundo deixa pontos pretos mais difíceis de serem retirados, principalmente em objetos fibrosos e tecidos.

Paredes, roupas, livros, brinquedos e até mesmo CDs – nada é preservado quando surge a proliferação destes fungos. Seu crescimento de forma discreta deixa tudo com aspecto mofado, causando tristeza aos moradores que vêm sua moradia como lixo.

Apesar de toda a sua ameaça, até que ponto devemos estar preocupados com o mofo, quando ele invade as nossas casas? Se estes são os efeitos que ele pode ter sobre os nossos objetos, quais os efeitos que podem ter sobre os nossa saúde?

O mofo é uma das formas de fungo. Há muitas outras formas diferentes e elas podem ser encontrados tanto em ambientes fechados e ao ar livre. Estes fungos são reproduzidos e espalhados através de esporos, que estão presentes em todos os ambientes de interiores. Estes esporos são capazes de sobreviver em condições muito adversas, o que dificulta muito o controle da sua proliferação.

O mofo cresce melhor em ambientes quentes e úmidos – facilmente encontrados em casa durante o inverno. Quando esporos de mofo pousar em um local úmido eles se desenvolvem, digerindo o material onde pousou. Eles são capazes de crescer numa variedade de diferentes superfícies, incluindo tecido, papel e madeira.

Mofos interiores mais comuns incluem:

Alternaria – encontrado em lugares úmidos dentro de casa, tais como chuveiros ou em pias com vazamentos

Aspergillus – freqüentemente encontrados dentro de casa na poeira, alimentos em pó e materiais da construção, como drywall

Cladosporium – capazes de crescer tanto em áreas frias como quentes. É normalmente encontrado em tecidos e superfícies de madeira

Penicillium – normalmente encontrados em materiais que foram danificados pela água e muitas vezes tem uma aparência azul ou verde.

O mofo pode se apresentar com variedade de formas e texturas, aparecendo como branco, preto, amarelo, azul ou verde e, muitas vezes parecendo uma descoloração ou manchas na superfície. Eles também podem ter uma aparência aveludada, enevoada ou áspera, dependendo do tipo e do local do crescimento.

Como o Mofo entra em nossas casas?

Esporos de mofo, invisíveis a olho nu, podem ser encontrados em todos os lugares, tanto interiores como exteriores. Estes esporos entram na casa através do ar ou depois de se fixarem a objetos ou pessoas que são introduzidos. Janelas, portas e sistemas de ventilação são todos vias de entrada dos esporos. Roupas, sapatos e animais de estimação também podem propiciar a chegada de mofo.

O mofo só vai se desenvolver se os seus esporos pousar em algum lugar que tem as condições ideais para o cultivo – lugares com umidade excessiva e um suprimento de nutrientes adequados. Se isso não acontecer, o mofo normalmente não causará nenhum tipo de problema.

O mofo pode ser encontrado em locais de vazamentos e inundações ou em locais de acumulo de condensações. Materiais de celulose molhados são mais favoráveis de crescimento de fungos, incluindo produtos de papel, papelão, telhas e produtos de madeira. Papeis de parede, materiais de isolamento e estofados são outros locais típicos para o seu crescimento.

O crescimento de fungos é geralmente perceptível – é normalmente visível e muitas vezes produz um odor característico.

Efeitos potenciais de mofo para a saúde:

post 01 - 02“Exposição a Mofo nem sempre representa problema de saúde dentro de casa,” de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA. “No entanto, algumas pessoas são sensíveis a fungos.”

A Organização Mundial de Saúde (OMS) estabelece que um ambiente mofado está associado e pode piorar a poluição do ar interior – um fator de risco para determinadas doenças respiratórias:

“Excesso de umidade em quase todos os materiais interiores levam ao crescimento de micróbios, tais como bolor, fungos e bactérias, que, subsequentemente, libertam os esporos, células, fragmentos e compostos orgânicos voláteis para o ar interior. Além disso, a umidade inicia a degradação química ou biológica do material, a qual também polui o ar interior. “

O mofo produz uma série de substâncias que podem ser prejudiciais. Alérgenos, irritantes e micotoxinas – substâncias potencialmente tóxicas – afetam os indivíduos particularmente sensíveis.

A Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA) confirma que a exposição a fungos pode irritar os olhos, pulmões, nariz, pele e garganta das pessoas, mesmo se elas não sofrem de alergia ao mofo.

Alergias ao mofo produzem sintomas semelhantes a outras alergias às substâncias presentes no ar que afetam o trato respiratório superior. Estes sintomas incluem:

– Bloqueio nasal ou Coriza
– Comichão no nariz
– Coceira na garganta
– Espirros
– Olhos lacrimejantes

Além disso, pessoas asmáticas com alergia a mofo têm um risco aumentado para o desencadeamento de crises

O professor Stephen Spiro, vice-presidente da Associação de Pneumologistas do Reino Unido, afirma que a presença de mofo no interior das casas pode ser mais grave do que simplesmente exacerbar condições pré-existentes:

“Certas espécies de mofo podem causar infecções pulmonares graves e cicatrizes. Por exemplo, em alguns asmáticos, inalação de esporos de uma espécie de mofo chamada de Aspergillus pode levar a uma condição conhecida como aspergilose bronco pulmonar alérgica, com impactos sobre a respiração.”

Indivíduos comprometidos com doenças respiratórias  parecem ser mais suscetíveis aos efeitos adversos de mofo no interior das casas. Prof. Spiro também afirma que entre os pacientes com determinadas doenças do sangue, a inalação de mofo poderia até mesmo levar a complicações fatais.

Embora não seja necessária provas mais contundentes, um relatório do Centro de Controle de Doenças (CDC) dos EUA apresenta algumas pesquisas que sugerem  uma associação entre a exposição ao mofo no interior das casas e o desenvolvimento de doenças respiratórias em pessoas saudáveis.

Em 2004, o Instituto de Medicina (IOM) informou que havia provas suficientes para conectar o mofo interior com o desenvolvimento de problemas do trato respiratório superior, em pessoas saudáveis, e algumas evidências sugerindo o mesmo em crianças saudáveis.

Mais recentemente, o CDC afirmou que a exposição ao mofo muito cedo na vida de uma criança pode estar associada com o desenvolvimento de asma. No entanto, esta teoria se opõe a  “hipótese da higiene”

A “hipótese da higiene”, segundo a Organização Mundial de Saúde é a teoria de que crescer em um ambientes higiênicos pode aumentar o risco de uma pessoa desenvolver alergias. Vários estudos descobriram evidências que sustentam a hipótese da higiene, mas as evidências ainda são contraditórias.

Como resultado, a OMS concluiu que há “indícios suficientes de uma associação entre os fatores relacionados com a umidade interna e uma ampla gama de efeitos à saúde respiratória”, incluindo asma, infecções respiratórias, tosse, chiado e dispnéia.

Embora a exposição pesada ao mofo interior poderia plausivelmente desempenhar um papel causal no desenvolvimento dessas condições de saúde, a OMS informa que essa associação ainda não foi estabelecida de forma conclusiva.

Proteção e Prevenção

Apesar da natureza inconclusiva da pesquisa atual, o CDC e EPA recomendam que qualquer proliferação do mofo deve ser imediatamente tratadas.

Ambas as organizações afirmam que o controle da umidade é mais importante para a prevenção dentro de casa. Agindo rapidamente no caso de vazamentos ou alagamentos é importante, e secar as áreas dentro de 48 horas da exposição a excesso de umidade deve assegurar que o molde não irá se desenvolver.

O nível de umidade dentro de casa é outro fator importante, embora possa não ser imediatamente percebido, Um elevado nível de umidade no ar propicia o crescimento de fungos. Condensação nas janelas é muitas vezes um sinal de que a umidade está alta dentro de um cômodo.

Aumentar a ventilação abrindo janelas ou usando um exaustor reduz o nível de umidade no ar. A umidade também pode ser reduzida em ambientes específicos, evitando atividades produtoras de umidade em si, como secar roupas ou usar aquecedores a querosene.

Elimine o mofo com produtos comerciais ou com sabão e água ou ainda uma solução de água sanitária fortemente diluída. Sempre seque os locais que foram limpos cuidadosamente para evitar mofo de voltar a aparecer.

Desconfie de materiais porosos que foram afetadas por fungos, como tecido ou madeira. O mofo pode se infiltrar nesses materiais, impedindo sua remoção completa, o que levaria ao seu reaparecimento, se as condições forem adequadas. Em muitos casos, pode ser melhor livrar-se de objetos que foram afetadas por um período longo.

Manchas de mofo que são maiores do que um metro quadrado pode ser melhor resolvidas por profissionais especialistas de limpeza.

Se você está preocupado com qualquer potencial exposição a mofo ou você acredita que você está tendo problemas de saúde associados, é recomendável que você procure um especialista de saúde.

Casa arrumada, mente arrumada.

Embora as provas de quanto o mofo pode afetar a saúde, ainda são inconclusivas, parece haver suficiente evidência para sugerir que as pessoas devem se precaver.

Mesmo se for o caso de que o mofo não cause problemas de saúde, como alguns estudos têm sugerido, a sua presença é indicativo de um ambiente úmido, o qual é conhecido por ser perigoso para a saúde.

A necessidade de se livrar de mofo da casa também é muito maior se a saúde dos habitantes já estar de alguma forma afetada por doenças pulmonares crônicas ou comprometimento do sistema imunológico.

Pode ser apenas o caso de ter uma casa livre de mofo ser igual a ter uma mente livre de dúvidas e preocupações. Manchas de mofo podem parecer intimidador, e ao mesmo tempo, é possível elas não sejam prejudicial a todos, mas não há nada como um ambiente limpo, arejado e seco para gerar confiança sobre a saúde.

Fonte: James McIntosh – Medical News Today

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *