Capas anti-ácaros

ALERGO HOUSE (Agosto 2011)

Por: DIEGO MARTINS LOPES RAPHAEL

A IMPORTÂNCIA DO REVESTIMENTO
DOS COLCHÕES E TRAVESSEIROS

acaro2É consenso entre os profissionais médicos a recomendação para que seus pacientes portadores de alergias, principalmente respiratórias, encapem seus colchões e travesseiros com materiais impermeáveis, tais como plásticos e napa para evitar o contato com os ácaros e seus derivados.  Esta prática, extremamente importante, no entanto é pouco seguida em conseqüência do desconforto ocasionado pelo calor, barulho e tato desagradável provocado por estes materiais de revestimento.  Em razão disto, foi desenvolvido um material de revestimento com propriedades adequadas para minimizar e mesmo eliminar o desconforto decorrente do uso de outros materiais.

Os ácaros são microscópicos, praticamente invisíveis a olho nu. Cada espécie vive de 2 a 4 meses sendo que as fêmeas colocam entre 50 a 100 ovos mensalmente. Preferem ambientes úmidos e escuros e se alimentam de restos de comida, insetos, fungos e dos resíduos da descamação de pele humana e de animal.  Um homem adulto perde cerca de 1,5 gramas de pele diariamente, o que serve de alimentação para cerca de um milhão de ácaros.  Não é sem razão, que a espécie mais numerosa das diversas famílias de ácaros tem o nome científico de dermatophagoides que literalmente significa comedor de pele.

Cada ácaro, produz cerca de 35 bolotas fecais diariamente e durante sua vida o total de suas excreções pode ultrapassar 200 vezes o seu peso. A matéria mucosa dessas fezes entranha-se nos materiais porosos e com o tempo decompõe-se em partículas de tamanho extremamente reduzido presentes abundantemente na poeira doméstica. Com a movimentação natural do ar ou quando se usa ventiladores e espanadores de poeira, uma parte destas partículas é lançada no ar ambiente, permanecendo em suspensão por muitas horas e desta forma atinge facilmente a mucosa respiratória dos humanos. Os ácaros são encontrados em grande quantidade impregnados em tecidos tais como cortinas, carpetes, sofás e principalmente nos colchões e travesseiros, onde encontram as melhores condições para a proliferação.  Dados estatísticos revelam que um colchão sem proteção pode aumentar até 20% no seu peso no período de quatro anos, em decorrência da proliferação e do acúmulo de dejetos dos ácaros.

O Dr. Brum Negreiros, um dos mais conceituados alergologista brasileiro, percussor das medidas de profilaxia ambiental, no seu trabalho publicado em A FOLHA MÉDICA de novembro/dezembro de 1990, registra que já em 1928 na Alemanha, Dekker H. publicou um trabalho empírico porém pioneiro (1), definindo os “ácaros do colchão” como o principal causador da asma. A partir da monografia elaborada por Voorhost em 1969 (2) identificando e classificando os ácaros presentes na poeira de muitas localidades, desenvolveram-se testes de suscetibilidade, verificando-se que extratos de pó doméstico especialmente preparados sem ácaros eram muito menos alergênicos dos que os extratos comuns, com ácaros.  Os extratos comuns (com ácaros) nos testes cutâneos em pessoas portadoras de alergias respiratórias apresentaram uma incidência positiva entre 40 a 80%, muito superior aos indivíduos não asmáticos cuja incidência situou-se entre 5 a 20%, provando definitivamente ser o ácaro o principal agente causador das alergias respiratórias.

De fato, o ácaro não produz nem conduz doenças. São proteínas presentes no seu corpo, cutícula e fezes que desencadeiam as crises alérgicas que são reações exarcebadas do sistema imunológico dos indivíduos. A presença do ácaro só é prejudicial para pessoas alérgicas ou passíveis de sensibilizarem-se.

O Dr. Negreiros registrou ainda no artigo mencionado que Vervloet e Charpin, em trabalho publicado em 1982 (3), correlacionaram a quantidade de ácaros encontrados na poeira com a altitude do local e a incidência de asma.  Em locais elevados, onde o clima é mais seco e consequentemente a presença de ácaros é muito reduzida, como por exemplo em Davos/Suíça, praticamente não existiam asmáticos, exatamente ao contrário do observado em locais mais úmidos, próximos do nível do mar.  Em 1985, Woolcook publicou um trabalho (4) sobre o aumento alarmante de asma na Nova Guiné, onde foi encontrada uma alta infestação nos colchões da população (1.300 ácaros por grama de poeira). Finalmente, estudos dinamarqueses registrados por Korgaard em 1983 (5) mostraram que a presença de mais de 100 ácaros por grama de poeira deve ser vista como “condição de risco ambiental”. A sensibilização ao ácaro é um elemento essencial não só no aparecimento de crise de asma, mas também na manutenção de uma hiper-reatividade exagerada na mucosa respiratória, como revelado no trabalho de Platts-Mills (6).

Por razões semelhantes, também a presença de mofo, fungos e outros micro-organismos pode ser prejudicial a determinadas pessoas, por nelas desencadearem crises de alergia.

Compreende-se portanto a importância para os indivíduos asmáticos ou portadores de outras alergias respiratória do controle ambiental onde é fundamental a redução da sua exposição aos ácaros.  Os ambientes utilizados por estas pessoas devem ser providos de superfícies (chão, paredes, cortinas…) móveis, objetos, utensílios e itens de decoração com materiais impermeáveis e facilmente limpos. É importante portanto evitar o uso de tapetes, cortinas de pano, estofamentos etc.

As recomendações profiláticas são perfeitamente exeqüíveis na sua maioria – assim é possível eliminar do ambiente quase todos os objetos cujas superfícies favorecem a proliferação dos ácaros e/ou a impregnação da matéria mucosa de suas fezes. O problema principal reside nos locais destinados ao descanso  (cadeiras, sofás..) e sono (colchão, travesseiro, cobertores, edredons, mantas…) dos indivíduos, locais onde a necessidade de conforto demanda superfícies aconchegantes, macias e de contato agradável.

Tendo em vista estes problemas e no propósito de superá-los, foi desenvolvido um tecido especial com o qual se confecciona capas anti-ácaros para colchões, travesseiros, cobertores, edredons, almofadas ou qualquer outro produto destinado ao uso de pessoas alérgicas ou passíveis de serem sensibilizadas pelo contato com ácaros, mofo, fungos e outros micro-organismos.

Este tecido é preparado a partir de tecidos convencionais elaborados em puro algodão ou em composição mista de poliéster e algodão.  Em uma das faces deste tecido convencional é tratada com uma fina camada de material impermeabilizante tal como o policloreto vinilico, o qual através de processos de calandragem ou extrusão, promove a sua aderência no tecido, formando um conjunto único que conserva as propriedades de maciez e flexibilidade do tecido original. Com este produto confeccionam-se as capas anti-ácaros de forma que a face não tratada do tecido fique voltado para fora afim de proporcionar ao usuário do objeto revestido uma sensação de conforto praticamente idêntica ao objeto não revestido. Uma pequena redução da capacidade do tecido em transmitir o calor do corpo humano, em face da sua impermeabilidade é admitida pela contrapartida dos benefícios a saúde e qualidade de vida do usuário. A presença do tecido convencional no entanto, garante a absorção da transpiração humana em um nível nada comparável ao que poderia ser conseguido com o uso de uma capa feita somente com um material impermeável, como plásticos em geral. Todo o processo de tratamento impermeabilizante do tecido é controlado e periodicamente inspecionado para que seja assegurado o bloqueio da passagem dos ácaros e de seus derivados. Com isto reduz-se extraordinariamente a possibilidade de contato dos usuários destas capas com os micro-organismos presentes no produto protegido.

As capas são feitas de forma a envolver completamente o artigo protegido. No caso de colchão, a capa pode também ser confeccionado com elásticos, de forma a somente cobrir somente um dos seus lados, o que lhe daria mais praticidade de uso, embora tenha a sua eficiência diminuída. Esta versão de cobertura parcial é indicada para usuários que precisam mudar a hospedagem com frequência, por exemplo viajantes, a quem seria difícil o encapamento do colchão cada vez que houvesse mudança de hotel. Este modelo também pode ser usado por portadores de diurese noturna tendo em vista a impermeabilidade da cobertura.

O fechamento das capas sobre os diversos objetos pode ser por costura ou, o que lhes daria mais praticidade de uso, com a utilização de zíper, velcro ou similares.  Ainda que exista uma reduzida passagem dos ácaros por estes itens de fechamento ou mesmo pelos orifícios da costura utilizada na confecção das capas ou de seu fechamento, o nível de concentração destes organismos por grama de poeira será muito inferior aos índices considerados como representativos de risco ambiental.  Vale dizer que a possível passagem destes seres microscópicos é muito inferior a quantidade existente no resto do ambiente, sendo portanto desprezível.

Encape seu colchão e travesseiro como medida número um de profilaxia ambiental porém não deixe de considerar outras medidas complementares tais como a retirada de carpetes, cortinas de tecidos, estofados ou qualquer outro objeto de difícil limpeza cotidiana.  Além disto evite procedimentos que possam agitar o ar ambiente como por exemplo o emprego de espanadores para limpeza ou mesmo de ventiladores os quais provocam a suspensão dos ácaros, que como visto permanecem por muitas horas no ar, facilitando a sua inspiração.

Em casos de manifestações alérgicas mais graves podem também ser recomendados purificadores do ar ambiente e até mesmo o emprego de desumidificadores já que estes micro-organismos necessitam de umidade relativa elevada para a sua proliferação.

REFERÊNCIAS

(1)  Dekker H. – Asthma und Milben, Munh Med Wochenschr, 1926; 1928; 75:515. Apud J. Allergy Clin Immunol, 1971; 48:241

(2)  Voorhost R. et al. – House Dust Atopy and House Dust Mite. Leyden Staflen Cientific Publixhing Co., 1969

(3)  Vervloet D., Charplin J. – Altitude and Dust Mites. J. Allergy Clin Immunol, 1982; 69:290

(4)  Woolcock AJ et al. – The Association Between Dermotophagoides Mites and the Increasing Prevalence of Asthmain Village Comunities within the Papua New Guinea Highlands. J. Allergy Clin Immunol, 1985; 75

(5)  Jorgaard J. – Mite Asthma and Residency: A Case Control Study on the Impact of Exposure to House dust in Dwellings. Am Ver Resp Dis, 1983; 128:231

(6)  Platts-Mills J.A.e. et al. – Reductions of Bronchial Hyperreactivity During Prolonged Allergen Avoidance. Lancet, 1982; 2:675.

medico

Conheça as capas anti-ácaros na nossa loja virtual

28 comentários sobre “Capas anti-ácaros

  1. Fico muito feliz com as dicas dadas pelo aDr. Tenho duas filhas alérgicas e gostaria de
    saber onde posse encontrar capas para colchões desse material. Pois os colchões delas
    são cobertos de capas de napas e courinos e ficam muito quentes, principalmente aqui
    no nordeste. Fico muito grato se poder cotar com a ajuda de vc.
    Muito ogrigado!

    1. A Wikipedia diz:
      Ácaro é a designação comum a algumas espécies ( excluindo os carrapatos que compõem a ordem Ixodida ) de artrópodes da subclasse Acarina(=Acari), pertencentes à classe dos aracnídeos, subclasse à qual pertencem mais de 30.000 espécies conhecidas, apesar de possivelmente existirem muitas outras não classificadas. Os ácaros do pó doméstico são visíveis apenas ao microscópico e medem entre 200 e 500 micrômetros. Contudo, além dos ácaros terrestres, há ainda os aquáticos, inclusive marinhos. São em sua maioria predadores, mas há os fitófagos, detritífagos e os parasitas. Na subclasse Acarina estão ainda os carrapatos ou carraças. Entre os ácaros parasitas do homem, existem os que atingem os folículos pilosos e glândulas sebáceas, como Demodex folliculorum, que provoca a formação de cravos, e parasitas cutâneos, como Sarcoptes scabiei, o causador da sarna humana. Este forma túneis na epiderme e libera secreções que provocam forte irritação. A deposição contínua de ovos nos túneis garante a perpetuação da infestação. O contato com áreas infestadas da pele pode transmitir o ácaro para outro hospedeiro.

  2. Boa tarde!
    Gostaria de saber com que frequência essas capas devem ser lavadas e se com o tempo esse tratamento antiácaro vai saindo do tecido? Obrigada

    1. Bom dia!

      Sra. Cristiane,
      As Capas Anti-Ácaros não recebem nenhum tipo de tratamento no tecido, o que a torna especial é o fato de ser uma capa feita de algodão revestida em PVC, com isso se torna impermeável, fazendo com que os ácaros não fiquem em contato com o alérgico.
      É indicado lavá-la a cada 4 meses e na troca de lençóis recomendamos passar um pano úmido para higienizar.
      As capas anti-ácaros não devem ser lavadas em máquinas de lavar e nem ser torcidas pois isto pode danificar o revestimento em PVC, fazendo com que não tenha eficácia na proteção contra os ácaros. É importante que não seja usado alvejantes na lavagem da capa.,

      Atenciosamente,

      Alergo House

    1. Bom dia!

      Prezada Sra. Ana Paula,

      Geralmente só a troca da capa já é o suficiente pois as capas anti ácaros recebem um tratamento que impede o contato do colchão com o alérgico.
      Existem acaricidas que podem ser usados diretamente no colchão, para que seja feita uma melhor esterilização. Temos disponível em nosso site: http://www.alergohouse.com.br/produtos-para-alergicos/limpeza-e-profilaxia/fungicidas-e-acaricidas.html

      Obs: É importante verificar o prazo de validade da capa anti-ácaros.
      Em caso de dúvidas, recomendamos sempre a procura de um profissional de sua confiança.

      Atenciosamente, Alergo House

  3. Olá! Bom, é o seguinte, meu filho tem alergia nos olhos e uma alergista recomendou um tratamento com doses de injeções diárias.
    Só que gostaria de saber se haveria uma outra alternativa sem ser essa, pois uma criança de cinco anos tomar agulhada todo dia, eu além de ter muita dó acho um tratamento pesado pra criança pois são 6 meses tomando agulhada todo dia.
    Me ajuda por favor! Desde já obrigado!

    1. Bom dia Sr. Wilson,

      É importante lembrar que muitas das vezes os tratamentos mais eficazes e com capacidade até de cura, são através de injeções diárias, dependendo do caso.
      Infelizmente, por questões ético-profissionais estamos impedidos de opinar clinicamente – recomendamos sempre a procura de um profissional de sua confiança.

      Gostaríamos de convidá-lo a conhecer nossa loja virtual especializada em pessoas alérgicas: http://www.alergohouse.com.br

      Atenciosamente, Alergo House

  4. Olá, nas instruções da etiqueta do meu colchão diz que na fabricação o mesmo recebeu um tratamento que previne a proliferação de colônia de ácaros, e que contém íons de prata, eu e meu marido somos alérgicos desde criança, necessitamos ou não utilizar a capa nesse tipo de colchão? com o tempo ele perde essa proteção de íons de prata?

    1. Bom dia!

      Prezada Sra. Vivian,
      Como o colchão já recebe o tratamento anti-ácaros não é necessário o uso de uma capa anti-ácaros, porém o uso desta capa protege o colchão, evitando o desgaste proporcionado pelo uso direto do colchão.

      Att.

  5. Gostaria de saber onde podemos comprar as capas anti ácaros com PVC interno. ( Lojas )
    Trabalho com uma alergologista em Fortaleza Ceará e temos dificuldades de direcionar os pacientes para a compra correta dessa capa.

    Atenciosamente,

    Luciana

  6. Olá,
    Gostaria que esclarecesse o seguinte:
    A parte interna da capa do colchão é em PVC, e isso impede a entrada de novos ácaros e a saída daqueles que já estão ali instalados. A parte externa, a que fica próxima à pessoa, é 100% algodão, o que melhora o conforto. No entanto, nessa parte externa (100% algodão), os ácaros não começam a se depositarem ali, na mesma proporção que se depositavam antes no colchão?

    1. Boa tarde!
      Prezada Josefa,

      Realmente os ácaros se depositam em cima do algodão, porém, a quantidade nesta superfície é infinitamente menor comparado com a espuma de um colchão sem proteção.
      Por isso que os médicos indicam a cada troca de lençol e fronha passar um pano umedecido com álcool sobre o algodão, com isso a senhora eliminará esse resíduo de ácaro que se acumula sobre o tecido.

      Qualquer outra dúvida estamos à disposição.

      Att.
      Alergo House
      Tel: 21 25426000 / 25400500

  7. OLá

    gostaria que me esclarecesse se a fronha antialergica é para usar directamente em contacto com a pessoa ou posso usar uma fronha normal em cima?

    obrigada
    Alexandra

    1. Boa Tarde!

      Prezada,
      Para melhor conforto recomendamos que utilize as capas anti ácaros com uma fronha que não necessariamente precisa ser hipoalergênica.

      Att. Alergo House

  8. Olá boa noite!!

    Tenho um filho de 4 anos que ele tem alergia de ácaros fungos e da umidade a Alergista me informou que ele teria que tomar uma injeção 1 vez por semana durante 3 anos para ele não ficar dependente do colírio , o olho dele incha do nada remela e fica vermelho parecendo conjuntivite gostaria de saber se essa é a unica opção porque até mesmo o tratamento saiu muito caro, e ela me indicou que comprasse fronhas e lençóis para esses tipos de alergia.

    tem como me ajudar

    grato!!

    1. Olá Sra Juliana,

      A senhora deve seguir a orientação da Alergista – a dessensibilização através da vacina é o tratamento principal. As capas anti-ácaros são muito eficientes para evitar que seu filho entre em contato com os ácaros que são muito numerosos nas camas e nos travesseiros, muito mais que o resto da casa, por encontrar ali as melhores condições para viver e se procriar. Porém é também importante os cuidados com o todo o quarto, como é mostrado no nosso artigo Quarto do Alérgico (veja aqui). Obtenha mais orientações da médica para manter um ambiente limpo, arejado, com umidade baixa evitando objetos que possam acumular poeira tais como tapetes, cortinas de pano e bichinhos de pelúcia. As capas anti-ácaros podem ser comprados na nossa loja virtual (veja aqui).

      Att. Alergo House

  9. Eu preciso lavar minha capa de algodão com pvc mas não tenho espaço para lava-lá na mão. Posso lavá-lá na máquina? E na lavanderia? Obrigado

  10. Boa Tarde Sra. Isabel,

    O problema da lavagem destas capas é não permitir a descolagem do PVC com o Algodão, o que em sí não reduz a eficiência do produto, mas pode provocar barulhos incômodos. As capas não devem ser submetidos a calor, tal como passar a ferro ou uso em secadoras de roupa e também devem ser manuseadas com cuidado. Caso seja imprescindível lavar em máquina, favor ajustar a programação para lavagem a frio e roupa delicada. Se for em lavanderia peça para seguir estas instruções.

    Atenciosamente, Alergo House

  11. BOA TARDE
    MEU FILHO E ALERGICO A ACAROS PRECISO COMPRAR UMA CAPA PRO COLCHAO .
    COMO FACO PRA EU COMPRA COM VCS.
    MAS EU QUERO A CAPA DE ALGODAO, A DE TNT EU NAO QUERO MINHA CAMA E DE CASAL

    1. Prezada Sra Marcela, desculpe-nos a demora, mas tivemos problemas de instabilidade do nosso blog e só agora normalizamos o problema. A Sra. pode adquirir a capa anti-ácaro, em qualquer tamanhho padrão ou com medida especial, sob encomenda, através do nosso site. http://wwwbr/quarto-do-alergico/capa-anti-acaro.alergohouse.com.” target=”_blank”>http://www.alergohouse.com.br/quarto-do-alergico/capa-anti-acaro. Caso prefira e estiver no Rio, temos loja física na Rua Humberto de Campos 753 Leblon – ou ainda entre em contato com o nosso SAC 21 2542-6000 ou pelo whatsapp (21) 9967-08314. A Sra pode ainda enviar mensagem através da home page do nosso site http://www.alergohouse.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *