Causas da Asma


Fonte: ABRA – Associação Brasileira de Asmáticos

A asma é uma doença que pode acometer tanto crianças como adultos e que se acompanha de crises com dificuldades para respirar, falta de ar, sensação de chiado no peito, cansaço e tosse. As crises resultam do estreitamento das vias pulmonares pela contração dos músculos lisos dos brônquios e da inflamação que se instala na mucosa brônquica.  Os brônquios inflamados ficam instáveis (hiperreatividade brônquica) e reagem de maneira anormal aos estímulos desencadeantes, mesmo fora das crises. Por isso, é importante manter o tratamento mesmo quando se está bem.

CAUSAS DE ASMA:

Fatores desencadeantes da doença compreendem todos os agentes que podem iniciar uma crise ou piorar a asma, sendo os principais:

1 – ALERGIA: São os fatores inalantes: poeira,ácaros, mofo, pêlos e penas de animais, baratas, polens etc.

2 – INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS: Gripes, resfriados, sinusites.

3 – FATORES IRRITANTES: Fumaça de cigarro, ar frio, mudança de tempo, cheiros ativos, poluição.

4 – SUBSTÂNCIA NO AMBIENTE DE TRABALHO.

5 – CERTOS TIPOS DE MEDICAMENTOS.

6 – REFLUXO GASTROESOFÁGICO.

7 – FATORES EMOCIONAIS.

MEDIDAS PREVENTIVAS:

ALERGIA:  POEIRA E ÁCAROS

Limpeza da casa diária, com pano úmido, na ausência do alérgico, sem vassouras ou espanadores. Aspiradores são eficientes para diminuir a poeira, em especial os modelos dotados de filtros HEPA (de alta potência).

Evite usar desinfetantes e produtos de limpeza com odor forte. Dê preferência a pastas e sabões em pó para limpeza de banheiro e cozinha. Para limpeza geral, utilize álcool pois desinfeta e é volátil, desaparecendo o odor rapidamente.

O quarto de dormir deve ser mantido arejado e com janelas abertas, sempre que possível. Pelo menos uma vez por semana, retire os colchões e passe pano úmido no estrado da cama.

Evite acúmulos de objetos desnecessários no quarto: almofadões, bichos de pelúcia, estantes com livros etc. para não juntar pó. Camas e berços devem ficar afastados da parede. Evite tapetes e carpetes: utilize persianas ou cortinas curtas laváveis.

Travesseiros e colchões devem ser recobertos com capas impermeáveis ou com plástico tipo napa. Roupas de cama devem ser trocadas e lavadas semanalmente, se possível com água quente. Substitua cobertores de lã por edredons e lave-os periodicamente.

Roupas que estejam guardadas devem ser lavadas antes do uso.

Evite fazer refeições, passar roupas ou fazer artesanatos em seu quarto.

MOFOS

Mantenha a casa arejada e ensolarada.

Combata o mofo e umidade, principalmente no quarto de dormir. Focos de infiltrações ou de vazamento devem ser reparados.

Verifique periodicamente as áreas úmidas de sua casa como banheiro (cortinas plásticas do chuveiro, embaixo das pias etc.), cozinha e porões para evitar o aparecimento do mofo.

PÊLOS DE ANIMAIS

Evite ter animais em casa, como cães e gatos.

Se você já possui um animal, deve ser mantido fora de casa e banhado toda semana. Não deixe que entre no quarto de dormir ou suba em camas e sofás.

Na presença do animal, intensifique os cuidados de limpeza em sua casa .

BARATAS

Combata o aparecimento de baratas no ambiente de casa.

Mantenha a casa limpa, evitando acúmulo de lixo com restos de alimentos. Os ralos devem estar tampados. Manter bem secos locais como pias de cozinha e banheiro. A falta de água diminui a quantidade de baratas.

Faça dedetização periodicamente, sempre na ausência do alérgico.

INFECÇÕES VIRAIS-GRIPES E RESFRIADOS

Evite contato com pessoas gripadas.

Evite locais fechados e aglomerações.

Vacinas contra gripe e pneumonia são indicadas, em especial nas crianças e idosos.

IRRITANTES

Não fume e nem deixe que fumem junto ao alérgico.

Evite sprays com “cheiros” ou “sachês” no quarto de dormir.

Evite produtos com cheiro ativo para seu uso ou para limpeza da casa.

SUBSTÂNCIAS NO AMBIENTE DE TRABALHO

Observe seu ambiente de trabalho: procure combater focos de poeira e mofo.

Analise se no ambiente existem poluentes químicos.

Converse com seu médico para que ele possa estabelecer formas de ajudá-lo.

A ESCOLA

Procure conhecer a escola antes da matrícula: ventilação, limpeza das salas de aula, áreas livres e arejadas para recreio dos alunos.

No ato da matrícula, comunique os cuidados e medidas necessárias para ocasiões em que haja necessidade de tratamento no horário escolar.

Converse com o médico para que ele possa se comunicar com a equipe escolar, se houver necessidade.

CERTOS TIPOS DE MEDICAMENTOS

Comunique ao seu médico se estiver fazendo uso de medicamentos, em especial aspirinas, antiinflamatórios ou betabloqueadores (para controle da pressão arterial) que podem causar asma.

REFLUXO GASTROESOFÁGICO

Não beba ou coma no espaço de duas horas antes de ir para cama. Evite alimentos condimentados, bebidas alcoólicas e derivado da cafeína (chá, chocolate e bebidas tipo “cola”). Use medicamentos preventivos, se necessário.

Crianças não devem mamar deitadas e só deitar pelo menos uma hora após mamar. Evite fazer furos grandes no bico da mamadeira. Eleve a cabeceira do berço ou da cama.

ALIMENTOS

A pessoa que tem asma não necessita de dieta especial, a não ser em casos específicos.

Alimentação saudável e balanceada deve ser feita, mas sem restringir a criança de sua vida normal.

EMOÇÕES

O diálogo franco na família e com o médico é a base para solução de possíveis atritos. Procure avaliar seus sentimentos e emoções relacionadas com a asma.

A família deve ser estimulada a participar do tratamento. O asmático, mesmo que seja criança, dentro das condições de sua idade, também deve participar das medidas preventivas e das escolhas terapêuticas.

Procure freqüentar reuniões de ajuda aos asmáticos.

TIPOS DE ASMA

A asma é uma doença que pode se manifestar de formas diferentes, para cada pessoa:

Pode ser uma doença esporádica, com sintomas leves por exemplo, uma tosse com chiado que “vai e vem“ (asma esporádica)

Em outros casos, os sintomas já surgem com maior freqüência – mais de duas vezes por semana e menos de uma vez ao dia. (asma leve)

Os sintomas podem ocorrer com maior freqüência, com crises mais de duas vezes por semana e podendo durar dias. (asma moderada)

Os casos mais graves se acompanham de crises diárias, com falta de ar evidente e prejuízo da qualidade de vida da pessoa. (asma grave)

AS CRISES DE ASMA:

O início da crise:

Uma crise que está iniciando (leve) provoca o aparecimento de sinais que podem variar muito e incluem:

Sensação de “peito preso” ou de “respiração incompleta”.

Tosse ou chiado durante atividades diárias, quando ri, pratica exercícios ou esportes.

Cansaço leve, pigarro insistente.

A asma na criança pode não apresentar chiado, mas, tosse, com piora à noite ou após exercícios físicos e que melhora com uso de broncodilatadores.

A piora da crise de asma:

A maioria das crises graves pode ser prevenida porque a obstrução leva em geral vários dias para progredir, havendo tempo para tratar antes que se torne grave e fatal. Uma crise súbita e rápida é muito rara. O que acontece é que a pessoa não valoriza os sintomas ou o próprio médico pode não avaliar corretamente a gravidade do caso e uma crise pode se complicar.

Sinais de piora da asma:

Necessidade do uso repetido dos remédios de alívio.

O efeito do spray (ou nebulização) é curto.

A medida do PFE está caindo muito.

Acordar a noite para usar o broncodilatador.

não dormir bem ou acordar pela manhã já chiando.

Dificuldade em realizar suas atividades diárias.

O tratamento precoce é a melhor estratégia para evitar a crise de asma. Por isso, se você reconheceu alguns destes sinais, consulte o seu plano de tratamento ou fale com seu médico. Não aumente a dose ou use remédios por conta própria. Quanto mais cedo você se trata, menor a crise e o incômodo para você e para seu médico.

Sinais de descompensação da asma :

Existem alguns sinais que devem servir como advertência de que é urgente procurar o hospital:

Lábios e unhas roxas ou azuladas, suores e temperatura baixa.

Dificuldade em falar, caminhar ou se alimentar.

“Falta de ar” (importante): respiração difícil, entrecortada e ofegante.

Alteração de postura: o doente não consegue deitar-se. Costuma ficar sentado, apoiado sobre o espaldar da cadeira.

Tosse (importante).

Batimento das asas do nariz, uso de musculatura do pescoço e esterno para respirar.

Pouca melhora com a medicação inicial.

A medida do sopro (Peak Flow) está abaixo de 50% do valor previsto.

A MEDIDA DO SOPRO (PICO DE FLUXO EXPIATÓRIO – PFE)

Uma outra maneira de monitorizar a asma todos os dias ou saber a intensidade de uma crise é através da medida do sopro da pessoa ou medida do pico de fluxo expiratório ou simplesmente em inglês: “Peak Flow”. Este instrumento mede a velocidade da saída de ar dos pulmões (em litros por minuto). Na asma, esta saída está prejudicada pela obstrução dos brônquios. Por isso, esta medida reflete o grau de obstrução deste estreitamento, ou seja, em que grau o ar está se movendo para dentro e para fora dos pulmões.

O TRATAMENTO DA ASMA

Para tratar a asma, é fundamental atuar sobre as causas da doença. Por isso, o tratamento não pode se resumir em tomar remédio e deve incluir:

Controle adequado dos ambientes e dos fatores desencadeantes.

Tratamento dos sintomas nasais e da rinite alérgica associada.

Condicionamento respiratório.

Imunoterapia nos casos indicados.

Conhecimento dos remédios para o alívio e para o controle preventivo das crises.

MEDICAMENTOS PARA TRATAR ASMA:

Os medicamentos indicados para o tratamento de asma podem ser incluídos em dois grupos:

# Medicamentos para o alívio de crises:

Broncodiliatadores: Atuam relaxando os músculos dos brônquios e assim melhorando a passagem do ar. Estes remédios atuam apenas no momento da crise, mas não tratam da causa da asma. Podem ser usados sob forma de xaropes, comprimidos ou inalados (bombinhas ou nebulizações), mas a preferência deve ser pela utilização de remédios inalados. As bombinhas ou sprays ou aerossóis são remédios seguros, de efeito rápido e com menores efeitos colaterais do que os xaropes e comprimidos, pois atuam diretamente sob a via respiratória. Podem se utilizados sem problemas em pessoas com outros problemas de saúde como hipertensos, diabéticos ou mesmo em grávidas, desde que sejam usados de maneira correta sob orientação do médico.

Cortisona: é o nome comum para os medicamentos pertencentes ao grupo dos corticóides. É utilizada como medicamento a mais de 30 anos, e desde sua descoberta reduziram-se os dados sobre a gravidade e mortalidade de asma. A cortisona é indicada de maneira imperativa nas crises fortes e graves. Acredita-se que uma das causas do aumento da mortalidade pela asma seja o medo de se iniciar a cortisona, deixando que a crise possa piorar e complicar.

# Medicamentos para o controle da asma ou preventivos:

São remédios que atuam na inflamação dos brônquios. Diminuem a inflamação e, portando, atuam sobre a causa básica da asma. Estes medicamentos devem ser usados de forma contínua, todos os dias, mesmo na ausência dos sintomas.

Cortisona inalada: usada sob forma de sprays ou “bombinhas”, como nebulizações ou ainda usando inaladores de pó seco, tanto para adultos como para crianças. O uso regular destes medicamentos diminui a inflamação dos brônquios, levando a uma melhora geral da doença. Por isso devem ser usados todos os dias, mesmo na ausência de sintomas.

Antileucotrienos: usado a partir dos dois anos de idade, sob forma de comprimidos de uso diários, em especial nas asmas por exercícios e naquelas desencadeadas por uso de aspirinas, dipironas e antiinflamatórios.

TERAPIA COMBINADA:

É a utilização em forma combinada de dois ou mais medicamentos preventivos de modo a obter um efeito aditivo e se conseguir, um efetivo controle da asma com um esquema de administração mais cômodo e com menos efeitos colaterais. A critério do médico, podem ser feitas combinações variadas, como: broncodilatador de ação prolongada com corticóide inalado, ou ainda: antileucotrienos com corticóides inalados; teofilina de ação prolongada com corticóides inalados e até terapia tríplice com broncodilatador de ação prolongada, antileucotrienos e corticóides inalados. Esta escolha é feita pelo médico de forma personalizada para cada pessoa.

TRATAMENTO DA RINITE: VIAS RESPIRATÓRIAS UNIDAS

Cada dia fica mais evidente o elo de ligação entre a asma e a rinite: cerca de 80% das pessoas que tem asma apresentam rinite também. Embora o nariz e os brônquios tenham algumas funções diferentes, eles compõem a mesma via respiratória, ou seja, um caminho único, revestido por um mesmo tipo de mucosa. Na base de duas doenças está o mesmo problema: a alergia à substancias que estão no ar que se respira, como poeira de casa, ácaros, mofos etc. Por isso, é necessário tratar a rinite para se conseguir sucesso no controle da asma.

IMUNOTERAPIA

Apesar das medidas de controle ambiental, algumas pessoas necessitarão também o uso da imunoterapia, ou seja, de vacinas especificas para o tratamento da doença. A imunoterapia tem ação direta na intimidade do sistema imunológico, que comanda a asma e consiste na utilização de doses mínimas do alérgeno, para diminuir a sensibilidade do organismo. O tratamento com vacinas é prolongado, utilizando-se injeções periódicas subcutâneas com doses crescentes do antígeno.

CONDICIONAMENTO RESPIRATÓRIO DO ASMÁTICO

Pessoas que tem asma costumam respirar de maneira alteradas, provocando modificações na sua capacidade respiratória, bem como alterações posturais.

Por isto, necessitam realizar também um tratamento de reabilitação postural global.  Muitos asmáticos apresentam também rinite e respiração bucal, isto é, acostumam-se a respirar com a boca aberta, prejudicando todo o processo respiratório e levando a transtornos na postura e no seu desenvolvimento global, prejudicando sono, atividades diárias e sua qualidade de vida.

A fisioterapia respiratória atua na reeducação global e postural corrigindo tais conseqüências e preparando o asmático para as atividades físicas.

O FATO DE TER ASMA NÃO IMPEDE UMA VIDA NORMAL. POR ISSO :

Não deixe de fazer o exercício só porque você é asmático.

Avalie se você está realmente bem antes de realizar o exercício.

Realize exercícios de aquecimento antes do início do esforço.

Oriente-se com o médico: pode ser necessário um tratamento de fisioterapia respiratória antes de iniciar a prática esportiva.

RECOMENDAÇÕES FINAIS

Procure reconhecer os fatores que pioram sua asma.

Monitore sua respiração baseado nos sintomas ou na medida do PFE.

Procure conhecer os medicamentos: aliviadores e preventivos.

Ao iniciar uma crise, use logo o remédio de alívio, obedecendo a seu médico.

Não mude a medicação por conta própria nem repita receitas antigas ou use remédios só porque “deram certo” em outras pessoas.

Não pare de usar a medicação anti-inflamatória preventiva quando estiver bem.

Participe ativamente do tratamento: freqüente palestras e leia sobre o assunto.

AUTORIA
Dra. Fátima Emerson

Dr. Emmanuel Reis Martins; Dr. José Luiz de Magalhães Rios; Dr. Lian Pontes de Carvalho
Dr. Luiz Carlos Arcanjo; Dra. Neide Macedo Pereira; Dr. Nelson Guilherme Cordeiro;
Dra. Tânia Lúcia Nen da Silva (fisioterapeuta)

ASSESSORIA CIENTÍFICA
Prof. João Bosco Magalhães Rios

REALIZAÇÃO
SOCIEDADE BRASILEIRA DE ASMÁTICOS

Av. Nilo Peçanha 38 – sobreloja – centro
Rio de Janeiro – RJ – CEP 20020-100
Tel  (21) 2210-2810
e-mail: asmaticos@asmaticos.org.br
www.asmaticos.org.br

2 comentários sobre “Causas da Asma

  1. Levei algum tempo pra ler seu texto, mas eu realmente gostei do seu artigo. A claridade do seu post é espetacular e presumo que você seja um expert nesse assunto. Admiro demasiado seu modo de escrever, continue com o ótimo trabalho.

  2. Sou de Orlândia, interior de São Paulo, adorei seus comentários. desde criança tenho falta de ar, sempre uso remédios para combate-la,a cada vez que ia aos médicos, davam-me um diagnóstico diferente ex: bronquite,asma,bronquite alérgico,asma bronquica, bronquite asmático, teve médico que até afirmou a minha cura,mas os sintomas sempre voltaram, foram pediatras,clinicos gerais,pneumologista, as veses penso…será que algum deles queria realmente encontrar a causa da minha falta de ar,e curar-me??? hoje tenho 48 anos de idade,quando preciso ir ao médico depois de tantos anos tentando,já vou meio desmotivado, não por mim,mas pelo resultado das consultas… Deus abençoe vocês que amam o sacerdócio médico, abraços paulo.

Deixe uma resposta para Paulo Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *