A Medida do Sopro

PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO (Peak Flow)
A zarabatana do asmático

zarabatanaZarabatana é uma arma artesanal, semelhante a um cano longo, feita de madeira, com aproximadamente 2,5 m de comprimento, com um orifício onde se introduz uma pequena seta, de aproximadamente 15 cm. É  muito utilizada pelos índios amazônicos para caçar animais e aves, por ser silenciosa e precisa. Os Povos Matís, Zuruaha e Kokama a utilizam. Habitam a região do Vale do Javari, Amazonas, e também são conhecidos como os “Cara de onça” pois usam adereços faciais inspirados nesse animal.

Os Matis e Kokama realizam periodicamente uma prova competitiva. Se posicionam a 20 ou 30 metros do alvo, uma melancia pendurada em um tripé. A prova consiste em atingir o alvo o maior número de vezes possível.

Como sabemos, nossa respiração é sempre feita em dois estágios:  a inspiração e a expiração. A velocidade do ar respirado varia muito com nossa atividade corporal e com a nossa constituição.  Quando em repouso respiramos devagar ao contrário de quando em atividade agitada, como quando corremos ou fazemos algum outro esporte. Claro que um adulto respira uma quantidade de ar bem maior do que um bebê já que seu pulmão tem maior capacidade.

A capacidade de soprar (as velinhas do bolo de aniversário, por exemplo) depende de cada pessoa, principalmente da sua idade e da sua condição física.  Esta capacidade pode muito bem ser observada quando se brinca de zarabatana, quem ainda não o fez?  Lembra-se daquelas histórias de índios em algum lugar exótico da Amazônia, caçando com um tubo comprido e flechas com pontas envenenadas?  E as crianças com os tubinhos de refrigerantes ou o corpo da caneta esferográfica atirando bolinhas de papel…   No ato de soprarmos uma zarabatana, tentando atirar o dardo o mais longe possível, estamos expelindo o ar com a maior vazão que podemos.  Esta vazão máxima é nosso Pico de Fluxo Expiratório (PFE) naquele momento.

Apesar do Pico de Fluxo Expiratório variar para cada um, existem tabelas que mostram o valor médio deste pico em função da nossa idade, altura e sexo.   Se desejar saber o valor normal esperado do seu PFE clique aqui e veja uma destas tabelas.

Como exemplo, se você é mulher, tem 45 anos, aproximadamente 1,65 de altura, segundo esta tabela, espera-se que você possa soprar sua zarabatana com uma vazão de 430 litros por minuto. Se for uma atleta provavelmente poderá superar esta marca.  Se não conseguir, não se preocupe, muita gente não consegue, como dito, depende muito da constituição.  O importante é saber que você tem um Melhor Valor Pessoal, aquele que pode ser medido quando você estiver bem de saúde, sem crises respiratórias.

O Pico Expiratório dos asmáticos, muito frequentemente, diminui antes que outros sintomas da asma se tornem evidentes. Esta antecipação pode ser de horas ou mesmo de um ou dois dias.

Portanto, a medição freqüente do PFE pode revelar a aproximação de uma crise e permitir ao asmático adotar medidas preventivas para minimizar ou mesmo evitar os efeitos do episódio.

Existem no mercado diversos tipos de Medidor de PFE que são tão úteis para o asmático quanto o termômetro ou o medidor de pressão são para outras doenças. Clique nas figuras para conhecer mais detalhes dos aparelhos.

medidor_pico medidor_pico2 medidor_pico3

Se for o seu caso, ou o do seu filho, consulte um médico para obter as orientações necessárias. Ele poderá lhe recomendar um medidor de PFE, como usá-lo, com que freqüência ou em que situações e ainda como obter o seu Melhor Valor Pessoal.

Como orientações gerais, veja o que diz o Peak Flow Learning Center do National Jewish Medical Center:

1 – O que é um medidor de PFE ?

É um pequeno aparelho, fácil de usar, para medir o valor máximo (pico) da vazão de sua expiração – um valor que significa quão rápido você pode soprar depois de o máximo de inspiração. Ele revela como os seus pulmões estão trabalhando. Este valor é muito importante para você e para o seu médico.

Quando você acompanha diariamente ou regularmente o valor do PFE você pode identificar uma diminuição deste valor e tomar as providências para prevenir uma crise de asma.  Os valores do PFE juntamente com outros sintomas da asma são importantes para decisões sobre o tratamento da asma.

Se houver um acompanhamento do PFE regularmente, o seu médico poderá estabelecer um plano de tratamento da asma, contendo as providências a serem adotadas sempre que  houver uma queda do valor do pico expiratório.

2 – Quem precisa de um medidor de pico de fluxo expiratório?

Adultos e crianças (maiores de 5 anos) que usam medicação para asma diariamente ou com muita freqüência.

3 – O que é meu “Melhor Valor Pessoal” – como obter seu valor?

O maior valor regularmente soprado é o seu Melhor Valor Pessoal.  Este valor é conseguido registrando os valores doPFE durante duas semanas logo pela manhã, antes de tomar qualquer medicamento e ao entardecer quando a sua asma estiver sob controle.

Uma vez conhecido o seu Melhor Valor Pessoal pode ser útil para você e para o seu médico usar os valores obtidos nas medições. Os valores obtidos poderão ser melhor avaliados comparando-os com as “faixas” de tratamento.  Estas faixas o ajudarão a decidir o que fazer quando você perceber mudanças.  O sistema de faixas pode ser imaginado como os sinais de trânsito.

4- O sinal de trânsito do asmático

Se o seu Melhor Valor Pessoal for, por exemplo, de 380 litros/min, 80% de valor será 304 litros/min e 60% será 216

 

VALOR MEDIDO DO PICO DE FLUXO EXPIRATÓRIO
 trafficlite

SUPERIOR A 80% DO MELHOR VALOR PESSOAL: Tudo está bem e você poderá continuar com sua vida normal.

ENTRE 60% E 80% DO MELHOR VALOR PESSOAL: Use a medicação de emergência indicada pelo médico.  Espere 20 a 30 minutos e faça nova medição do pico.  Se voltar a ficar acima dos 80%, acompanhe o valor do pico a cada 4 horas por um dia ou mais.  Se não voltar a normalidade ou se precisar usar a medicação freqüentemente, informe o seu médico.

INFERIOR A 60% DO MELHOR VALOR PESSOAL: Considere isto uma emergência.  Tome a medicação e procure seu médico ou vá para um hospital.

Muito importante:

seu medidor é somente um aparelho de ajuda.
Outros sintomas também devem ser considerados nas decisões a serem adotadas.
Confie e siga sempre as orientações do seu médico.

5 – Como usar o medidor de PFE?

pfm

1. Sente-se com o corpo ereto.
2. Zere o aparelho.
3. Inspire profundamente.
4. Coloque a boca no bocal do aparelho selando bem os lábios.
5. Sopre o mais fortemente que puder (um único e rápido sopro –
zarabatana!).
6. Repita o processo mais duas vezes.
7. Escolha o maior dos três valores obtidos.
8. Anote este valor no seu diário ou em um gráfico.

6 – Com que freqüência usar o medidor de PFE?

O medidor de pico deve ser usado uma vez ao dia (de manhã ou ao entardecer) se os valores não variarem muito. Quando você estiver indo bem, pode ser usado duas vezes durante a semana e uma vez no final de semana.

Sugere-se medir mais freqüentemente quando você:

Começar a acordar durante a noite com sintomas de asma

Está tendo mais sintomas de asma durante o dia

Tiver uma infecção respiratória (um resfriado ou gripe)

Quando você está doente ou tiver sintomas de asma, use o medidor duas vezes ao dia (de manhã e ao entardecer)

Quando tiver que usar o medicamento de emergência, prescrito pelo seu médico para alívio rápido dos sintomas da asma.  Se puder, meça o seu Pico antes de tomar o medicamento e também 20 a 30 minutos mais tarde.


7 – Como registrar os valores das medições?

Anote os valores do PFE em uma tabela ou em um diário. É sempre preferível que você tenha um diário somente para este uso.

Tenha certeza de escrever todos os valores que sejam diferentes das suas medições normais.

Anote a data, o horário e o valor medido.  Também anote qualquer mudança em como você estiver se sentindo ou mudanças na medicação.  Liste qualquer coisa que você ache que está piorando a asma.

Mostre este diário ao seu médico sempre que fizer uma consulta.

8 – Quais são alguns sinais que minha asma está piorando?

Além de medir o PFE freqüentemente, você precisa observar os primeiros sintomas da crise de asma.  Estes sinais são:

tosse

Nariz escorrendo.
Fadiga.
Coceira na garganta .
Dor de cabeça.
Tristeza.
Tosse ou chiado quando fizer algum exercício.
Acordar a noite ou muito cedo com tosse ou chiado.
Respiração rápida.
Irritabilidade.

No caso de bebês, observe se ficam inquietos ou não querem comer.  Podem tossir quando choram, fazendo ruídos ou respirando com chiados quando estiverem dormindo. Respiração rápida com dificuldade de engolir, preferindo sentar a ficar deitado.

Vantagens com o uso do Medidor de PFE

Evitar crise: As medições diárias permitem acompanhar o que está acontecendo com o paciente. Este nem sempre percebe que uma crise se aproxima.  Desta forma, é possível evitar hospitalizações, doses emergenciais ou mesmo conseqüências mais graves.

Economia: Como o Medidor de PFE é um instrumento que impõe disciplina, é provável que promova uma maior adesão do paciente ao tratamento prescrito.  Além disso, a informação inequívoca, registrada ao longo de algumas semanas, é um parâmetro objetivo, com o qual o médico pode optar sem receio por uma redução das doses.  Evitar hospitalizações é outra forma de economia, sem dúvida, a mais significativa delas.

Eficácia da Comunicação Médico-Paciente:  A partir das anotações contidas na tabela ou no diário do paciente, seus relatos ao médico do que aconteceu durante o período entre consultas tornam-se mais lógicos e úteis, pois passam a ser um complemento e não o todo do que o médico dispõe para tomar decisões vitais para o tratamento.  A comunicação torna-se mais objetiva, as consultas mais rápidas e menos traumáticas.

medico


2 comentários sobre “A Medida do Sopro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *