Ambiente estéril é bom para o bebê?

Uma série de estudos previsto para ser apresentado na Reunião Anual da Academia Americana de Alergia, Asma e Imunologia demonstraram que o desenvolvimento do sistema imunológico de uma criança e sua suscetibilidade à asma e alergias pode ser influenciada por uma série de fatores que moldam as bactérias em seu intestino, como a idade gestacional no nascimento, o aleitamento materno e o parto por cesariana.

Bebê-forte

A equipe de pesquisadores, incluindo o Dra. Christine Cole Johnson, presidente do Departamento de Ciências da Saúde Pública do Hospital Henry Ford em Detroit, MI, diz que os resultados apoiam ainda mais a “hipótese da higiene” – a ideia de que a exposição a patógenos na primeira infância diminui mais tarde o risco de doenças.

“Por anos, nós sempre pensamos que um ambiente estéril não era bom para os bebês. Nossa pesquisa mostra o porquê. A exposição a estes microrganismos ou bactérias, nos primeiros meses após o nascimento, na verdade, ajuda a estimular o sistema imunológico,” diz a Dra. Johnson. “O sistema imunológico é projetado para ser exposto a bactérias em grande escala”, acrescenta ela. “Se você minimizar esses riscos, o sistema imunológico não irá se desenvolver de forma otimizada.”

Outros estudos têm apoiado esta tese: Em um estudo publicado na revista Alergia e Imunologia Clínica, os pesquisadores determinaram a relação de bebês expostos a bactérias e alérgenos no primeiro ano de vida e a diminuição de risco de alergias, chiado e asma mais tarde em vida.

Bebês amamentados tem menor risco de alergias relacionadas com animal de estimação.

caes e bebesNesta última pesquisa – constituído por seis estudos – Dra. Johnson e seus colegas buscaram determinar se fatores maternos ou de nascimento, bem como a amamentação, afetam a composição das bactérias intestinais – o microbioma intestinal – em bebês, e se estas composição influência o risco de desenvolvimento de alergias ou asma.

Além disso, a equipe avaliou se composições específicas de bactérias intestinais influenciam o desenvolvimento de células T reguladoras (Treg) – células brancas do sangue que regulam o sistema imune.

Os pesquisadores analisaram amostras de fezes coletadas de bebês em 1 e 6 meses após o nascimento. Os resultados da análise revelaram que a a composição do microbioma intestinal está relacionada com a raça/etnia da mãe, a idade gestacional da criança no nascimento, a exposição à fumaça do tabaco pré e pós-natal, a presença de animais de estimação em casa e se o bebê nasceu por cesariana ou parto normal.

Eles também descobriram que os bebês que foram amamentados de 1 a 6 meses tinham composições microbioma intestinais específicas, em comparação com os bebês que não foram amamentadas. Segundo os pesquisadores, os que não foram amamentados podem ter o desenvolvimento do sistema imunológico comprometidos. Além disso, os bebês que foram amamentados com 1 mês apresentaram menor risco de alergias relacionadas com animais de estimação.

Os pesquisadores também identificaram uma composição microbioma intestinal específica entre crianças com asma que experimentaram surtos ou noturno de tosse no primeiro ano de vida. Foi descoberta também – pela primeira vez – que a composição microbiota intestinal de um lactente está associada com os níveis de células T reguladoras.

Comentando sobre as suas conclusões, a Dra. Johnson diz:

“A pesquisa está nos dizendo que a exposição a uma carga maior e mais diversificado de bactérias ambientais e padrões específicos de bactérias do intestino parecem aumentar a proteção do sistema imunológico contra alergias e asma.”

Fonte:  Honor Whiteman para a Medical News Today

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *