Alergia a amendoim: Nova Terapia

altInvestigadores norte-americanos conseguiram impedir o desenvolvimento da reacção alérgica aos amendoins, dá conta um estudo publicado no Journal of Immunology e divulgado no portal Alert. As alergias ao amendoim causam frequentemente reações alérgicas que põem em risco a vida das pessoas, um processo conhecido como anafilaxia. De acordo com o National Institutes of Health, todos os anos ocorrem entre 15 a 30 mil episódios de anafilaxia induzida por alimentos, dos quais resultam entre 100 a 200 mortos, nos EUA.

 

Quando um indivíduo alérgico come um amendoim, as proteínas são absorvidas pelo intestino, o que pode ativar uma resposta imunológica e colocar a vida dessa pessoa em risco. Esta resposta inclui a constrição das vias aéreas, pressão arterial baixa e  choque, que podem conduzir à perda de consciência e morte.

A imunoterapia é uma abordagem terapêutica eficaz para muitas doenças alérgicas, mas requer períodos longos de tratamento e apresenta um elevado risco de reações adversas, particularmente na alergia alimentar. De forma a tentar encontrar uma nova abordagem terapêutica às reações alérgicas alimentares, os investigadores do Feinberg School of Medicine da Northwestern University, nos EUA, utilizaram um modelo animal que mimetizava a reação anafilática ao amendoim e associaram as proteínas do amendoim à superfície dos leucócitos, que foram administrados aos ratinhos intravenosamente.

O estudo revelou que quando os ratinhos eram alimentados com extrato de amendoim, após dois tratamentos, estes deixavam de apresentar qualquer reação anafiláctica, pois o seu sistema imunológico reconhecia estas proteínas como seguras.

Em comunicado enviado à imprensa, Bryce Miller explica que «o sistema imunológico reconheceu as proteínas do amendoim como algo perfeitamente normal, pois estas já tinham sido apresentadas pelos glóbulos brancos». O investigador explica em maior detalhe que este método diminui o número de linfócitos Th 2 que causam a alergia e aumenta o número de linfócitos T reguladores, que são importantes para o normal reconhecimento das proteínas do amendoim. O investigador conclui que como é possível associar à superfície das células mais do que uma proteína, este método pode ser utilizado para travar simultaneamente várias reações alérgicas alimentares.

Fonte:

http://www.paisefilhos.pt/index.php/homepage-mainmenu-1/notas-menu-noticias-60/4010-alergia-ao-amendoimnova-terapia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *